2 anos

de sucesso no mundo do samba

MaeAfricanaDe Nzinga passando por Nossa Senhora Aparecida, da craque Marta a escritora Carolina Maria de Jesus. Assim, o enredo da Império da Tijuca se destacou e  a escola foi vencedora do grupo de acesso.

Veja a sinopse bonita do enredo da escola da Tijuca:

ENREDO: NEGRA, PÉROLA MULHER


AUTORES: JUNIOR PERNAMBUCANO E DIEGO MARTINS DE ARAÚJO
 
No início, apenas a escuridão e o vazio.
Orunmilá, meu Deus supremo, me legou o dom da criação e da transformação,
Sou Ìyámì, a grande mãe ancestral, senhora dos pássaros, Eleèye.
Matizei cor e vida, emoldurei paragens exuberantes, África.
Fiz-te berço de civilizações, morada de guerreiros.
Nesta terra me tornei Gèlédé, negra feiticeira,
Danço para a vida, para a natureza.

Despertei paixões afrontando costumes e tradições milenares,
Minha ousadia foi perfume sedutor que ao grande rei encantou.
Sou mulher forte, desafiei e fui desafiada,
Nunca me rendi, nunca temi nada.
Pelas mãos do branco fui levada a um novo mundo,
Escrava da dor e do sofrimento.
Mas resisti, tornei-me quilombola,
Meu sangue de guerreira me fez rainha audaciosa,
Santa e bela como uma rosa.

Perpetuei o clamor aos meus deuses encantados,
Ao som dos tambores todos foram louvados.
Minha beleza foi fonte de inspiração dos artistas em suas criações,
Fui estrela, negra musa, mulher inspiração.
Sou mulher brasileira em cena,
Estou no esporte, na dança e literatura,
Tenho o dom de cantar e encantar.
Hoje, sou vitoriosa, não há barreiras ou fronteiras,
Sou símbolo de fé de toda uma nação,
Marta(jogadora da Seleção Brasileira)

Marta(jogadora da Seleção Brasileira)Mãe padroeira de todos os corações.
Sou negra, pérola mulher.
 

1º setor:
Gèlédè – As Grandes Feiticeiras
 
“E kúnl è o, e Kúnl è f’obinrin o
E obinrin l’ó bí wa, k’àwa tó d’enia
(Ajoelhem-se para as mulheres. A mulher nos colocou no mundo, nós somos seres humanos.)
 
Quando Orunmilá criou o universo, legou às ÌYÁMÌ – as grandes mães ancestrais - a responsabilidade por toda a criação e transformação da vida.
E se fez então maravilhosa criação emoldurada com paragens exuberantes. África.
Do seu chão brotou a flora que se espalhou pelas savanas e foi amparada em fortes raízes de grandes árvores. Tudo isso banhado por inúmeros rios e fontes d’água cristalina. Fez-se habitat para a fauna de pássaros e feras, e outros milhares de animais das mais variadas formas e cores, criando um colorido que só ali existia.
Em meio a toda beleza, fizeram daquele lugar o berço da humanidade. O grande ventre que embalou os primeiros seres humanos. E os teus seios os alimentaram propiciando sua perpetuação, e o surgimento de sociedades tribais.
mercedes-baptista

mercedes-baptistaDurante a organização dos povos africanos, os Iorubás destacaram-se como exímios guerreiros e artesões. Além disso, alguns registros históricos remetem a criação de uma sociedade secreta e religiosa interna denominada GÈLÈDÉ, com a particularidade de ser formada apenas por mulheres sacerdotisas das Ìyámì. Eram respeitosas feiticeiras, seus atos litúrgicos ligavam a figura da mulher como fonte de toda vida existente, acreditando que sem a força da essência feminina não poderia existir vida, não brotariam plantas e os animais e seres humanos não procriariam para sua perpetuação.
O rito mais conhecido dessa sociedade seria o ÈFÈ-GÈLÈDÈ, rito da máscara do pássaro, em louvor a Eléeye - a “mãe senhora dos pássaros” - e realizado durante o período inicial do plantio, buscando a boa fertilidade da terra. Durante as festividades era praticada pelas mulheres a louvação ao poder feminino da criação, da geração e perpetuação da vida, pois acreditavam que assim seria atingido o perfeito equilíbrio entre os seres humanos, a natureza e as Ìyámì.
Ogbon àiyé t’obinrin ni, e kúnl è f’obinrin
Mulheres Africanas-Varias

Mulheres Africanas-VariasE obinrin l’o bí wa o, k’àwa tó d’enia”
(A mulher é a inteligência da terra. A mulher nos colocou no mundo, nós somos seres humanos).

 2º setor:
Negras Guerreiras em Solo Africano

Ao passo em que era escrita a história da humanidade, muitas mulheres se revelaram verdadeiras guerreiras. Defendiam seu povo, sua honra e seus ideais. Em solo africano elas também ajudaram a escrever várias dessas passagens.
Há muito tempo antes de Cristo, no antigo Egito, a astúcia e beleza da mulher negra foram capazes vencer costumes e tradições.

Tiye, uma negra Nubia, reinou soberana ao lado do faraó Amenhotep III. A grande rainha possuía desde muito jovem beleza ímpar e vasta sabedoria, dominava como ninguém assuntos religiosos e políticos. Amenhotep III se apaixonou perdidamente pela bela negra que afrontava a todos com bom senso e vitalidade, mesmo sem possuir sangue real. Tiye foi esposa devotada, mãe, rainha amada e respeitada durante seus trinta e sete anos de reinado.
N S Aparecida

N S AparecidaTambém se destacaram nas atividades comerciais. Makeda, soberana do reino de Sabah, garantiu ao seu povo fartura e riqueza através de uma primorosa estratégia de compra e venda de especiarias por toda África.

Ousada, sua fama despertou a curiosidade do Rei Salomão que a convidou para conhecer o seu reino. Makeda partiu de Sabah com destino a Israel comandando uma imponente caravana de mais de oitocentos camelos, levando consigo muito ouro, pedras preciosas, perfumes, temperos e animais.

Após três anos de viagem sua comitiva chegou a Jerusalém. Durante seis meses a negra demonstrou notável diplomacia e sabedoria capaz de causar inveja aos maiores soberanos da terra. Salomão perdeu-se de paixão, rendeu honras e mandou gravar em várias escritas que em seu reino um dia esteve a admirável senhora das especiarias, a Rainha de Sabah.
A fé também foi motivo de massacres e guerras.  Com a insaciável sede de muitos povos em expandir suas fronteiras, dominar rivais ou desconhecidos os convertendo à sua pratica religiosa era motivo de júbilo para suas divindades.

Em meio a esses conflitos, as terras da África do Norte foram palco de sangrenta disputa. Nessa região, árabes muçulmanos desejam ter total controle das terras, fontes de riquezas e outros povos. Guerreiros implacáveis, jamais aceitavam a profissão de outra fé que não fosse o islamismo.

Nzinga

NzingaEm meio a vitoriosas campanhas, os árabes se depararam com forte resistência do povo Jarawa que era liderado pela rainha hebreia Dahia-Al Kahina. Herdeiros da família de Aarão, irmão de Moisés, os Jarawa professavam a fé judaica. Kahina, assim como seus ancestrais, jamais aceitou imposições contra seu povo; chegando a transforma-los no maior foco de resistência contra a dominação árabe na África do Norte.
Kahina também ficou conhecida como bruxa por profetizar grandes feitos durante seu reinado. Um dos seus maiores atos antes de sua queda foi conseguir ultrapassar as barreiras religiosas e unir vários povos da região contra os árabes sob o lema: “Leões de Judá e África contra a propagação e a escravização do islamismo”.
Politicamente as mulheres negras também tiveram importância histórica na África. Uma das figuras mais conhecidas é de Nzinga Mbandi Ngola, ou simplesmente Nzinga. Audaciosa, figurou primeiramente como embaixatriz em Luanda e durante trinta anos disputou com portugueses a independência e soberania de seu povo, culminando num acordo de paz entre os mesmos e sua conversão ao cristianismo.

Contudo os portugueses não levaram a diante o acordo e perante hesitação de seu irmão – até então rei – com o fato, Nzinga manda envenena-lo e assume o poder. Considerada indomável, a rainha usou de habilidosas estratégias de guerra e política para conter o avanço do domínio português sobre o seu reino. Mesmo assim, o fato de ser mulher causava certo incomodo até mesmo em seus súditos, o que levou a rainha a adotar uma postura masculina, liderando batalhas e chegando a trajar os homens de seu harém de mulheres.

Soberana, Nzinga reinou até os seus oitenta e dois anos, dominou tribos e vendeu seus inimigos como escravos; e acima de tudo, deu ao seu povo anos de grande prosperidade, conquistando assim respeito e admiração de outros monarcas.
Guerras e massacres se tornaram comuns e manchavam de sangue aquele chão. As invasões inglesas foram as mais cruéis. Em uma das invasões feitas no Zimbábue a crueldade era tamanha que povoados inteiros foram dizimados, em outros lugares havia invasão de terras e rapto de gado.

De tanto presenciar e viver o sofrimento de sua gente, Nehanda - que havia se tornado líder espiritual de seu povo - foi à luta contra os invasores. Sem contar com exercito expressivo, a jovem conseguiu unir outras lideranças tribais e assim conter por algum tempo a invasão. Quando não mais havia guerreiros e armas, Nehanda foi capturada e degolada, porém, se tornou símbolo maior da sua resistência de seu povo.
Oxum

OxumA invasão britânica já durava muitos anos, com os Ashanti a batalha já era travada há mais de cem anos.

Notáveis guerreiros e estrategistas, os Ashanti mantinham o “Cetro Dourado” como seu símbolo de poder e soberania. Após várias tentativas de invasão, os ingleses conseguiram capturar o herdeiro do reino, dos poucos que restaram, uma mulher se destacou por jamais se curvar a todo aquele cenário de flagelo e destruição, Yaa Asantewaa era seu nome.

A bravura demonstrada pela negra em outras batalhas a tinham feito líder de seu povo.

Visto que os homens não demonstravam mais motivação para lutar pelo resgate de seu rei, Yaa Asantewaa fez um clamor a todas as mulheres de seu povo para que juntas e de armas na mão expulsassem o branco invasor e regatassem seu soberano. Asantewaa e as mulheres não desistiram, sua bravura foi tamanha que dominaram os ingleses até a chegada dos reforços que culminaram na derrota dos Ashanti.
Yaa Asantewaa foi capturada e mandada ao exílio sendo a última mulher a comandar um levante contra invasores na África. Morreu longe de sua terra natal, porém jamais esquecida pela bravura e amor a seu povo e suas tradições.

3º setor:
Bravura e Ousadia, Negras do Brasil
Quando aos olhos dos navegantes descortinou-se um novo mundo repleto de riquezas, junto a todas as maravilhas daquelas terras que eram consideradas livres do pecado e de qualquer tristeza, nascia o Brasil.
Com o tempo cada pedaço dessas terras foi cercado, colonizado, dominado. A então colônia de Portugal e Espanha ganhava traços e formas, aos poucos doava suas muitas riquezas para saciar a cobiça dos reis e rainhas de além-mar.
Mas nada nessa terra foi feita pelos ditos descobridores, benfeitores ou colonizadores, tudo que se via erguer e transformar era fruto do trabalho de negros escravizados.
Quando aqui chegavam, os negros eram expostos nos cais dos portos como mercadorias vivas para serem arrematados. Não havia escolha, apenas muito trabalho regado a maus tratos, miséria em péssimas condições de vida e higiene. Nem mesmo as mulheres foram poupadas dos serviços braçais, misturadas aos homens exerceram os mesmos ofícios impostos pelos seus senhores. Plantavam, colhiam e mineravam, em alguns casos eram destinadas aos serviços do lar na casa grande e aos cuidados de suas senhoras e seus filhos.
Em meio a tantas humilhações e maus tratos, o Brasil viu nascerem guerreiras que clamavam a chegada de um novo tempo para o negro nesse chão. Consagradas ou não pela história, a negra teve papel fundamental na transformação da sociedade brasileira.
Dentre tantas figuras, Anastácia sem dúvida é um dos maiores símbolos da resistência da mulher negra brasileira.

Filha bastarda do seu próprio senhor, a negra muito bela e de olhos azuis, era curandeira e auxiliava no tratamento dos doentes da região em que vivia em Minas Gerais. Anastácia sempre negou ser tocada por qualquer homem, o que lhe rendia muitos castigos e açoites, ordenados principalmente pelas senhoras e suas filhas, que conheciam a beleza da negra e a acusavam de seduzir seus maridos ou pretendentes. A negra jamais se curvou para os desejos sexuais dos seus senhores, em uma da muitas vezes que resistiu a cobiça dos homens, a negra acabou sendo violentada e como castigo foi lhe colocada uma máscara de ferro para que não mais levantasse a voz contra seus senhores.

Muitos creem que mesmo após sua morte a escrava Anastácia ainda operaria curas a doentes que clamam por seu axílio, criando assim uma espécia de devoção popular que a denomina como “escrava santa dos olhos azuis”.
Ao passar dos anos o desejo de uma vida melhor para os negros se tornava mais forte. Fugas das fazendas e a criação de quilombos eram cada vez mais comuns, eram formas de combater toda crueldade imposta pela escravidão.

Palmares é a maior referência histórica da resistência dos negros, o quilombo que tomou proporções gigantescas na serra da barriga em Alagoas é considerado até mesmo como um dos primeiros modelos de república pelos historiadores.
No quilombo surge a figura de Dandara, esposa de Zumbi.  A negra era líder de toda a parte feminína do exercito palmarino, dominava como nenhuma outra a arte da caça e capoeira, também sabia empunhar armas de guerra.

Há poucos registros de sua história, mas o que se sabe é que Dandara jamais aceitou os acordos de paz feitos na tentativa de preservar a existência de Palmares, sempre demonstrou acreditar que a soberania do quilombo vinha das lutas e vitórias daqueles que o constituiam. Lutou ao lado do marido na defesa de Palmares por muitos anos, quando estava para ser capturada se lançou da pedreira mais alta da serra da barriga, pois nunca aceitou ser escrava.
Por aqui também houve negras que se destacaram por romper as barreiras impostas pelos costumes e tradições das sociedades de sua época.
Conhecida por ser uma pessoa de atitudes extravagantes, Chica da Silva fez história no Arraial do Tijuco montando uma pequena corte de escravos. A negra que foi alforriada e se casou com o contratador João Fernandes de Oliveira, esbanjou todo luxo e pompa possiveis, até mais que muitas senhoras brancas da região.

Das suas ousadias, Chica dizia ter criado sua própria corte onde ela era a rainha e tinha o costume de vestir seus escravos como nobres da corte portuguesa com direito a maquiagem e perucas, nunca aceitou injustiças e sua postura às vezes séria demais fez dela uma figura respeitada e por vezes temida.
Lembrança também é feita a Rosa Maria Egipcíaca da Vera Cruz, uma das primeiras mulheres negras no Brasil a conseguir publicar um livro de sua própria autoria e artigos em revistas acadêmicas contando sua história de vida.
Rosa ainda muito jovem viveu como meretriz em Minas Gerais, quando completou trinta anos foi acometida de visões divinas que a levaram a abandonar o meretricio e vender todos os seus bens e somente se dedicar aos oficios da santa igreja. Apesar de sua extrema dedicação ao catolicismo, suas visões provacaram açoites, perseguições e acusação de feitiçaria, o que levou a negra a fugir para o Rio de Janeiro e lá ser acolhida por franciscanos que a alfabetizaram e admiravam sua intensa comunhão com a liturgia católica dando-lhe a alcunha de “Flor do Rio de Janeiro”.

A partir de suas visões Rosa escreveu o livro “Sagrada Teologia do Amor Divino das Almas Peregrinas”, profetizou a volta de Dom Sebastião em um maremoto que engoliria a cidade do Rio de Janeiro, organizou cultos que misturavam o catolicismo a ritos africanos. O fim de sua vida foi no cárcere, condenada pelo santo oficio foi considerada herege e louca, pelas pessoas que pode ajudar foi considerada santa.
Por aquelas que lutaram em revoltas e guerras relembramos a figura de Luíza Mahin. Geniosa, a negra pertencente à etnia Jeje nasceu na Costa da Mina e foi trazida ao Brasil como escrava. Escrava de ganho, jamais aceitou o batismo católico, obteve sua liberdade em 1812 e seguiu o oficio de quitandeira, obtendo com facilidade informações sobre tudo que acontecia na cidade.

Luiza se apaixonou pelo Brasil, aqui esteve à frente da luta abolicionista na Bahia participando de todos os levantes. Mulçumana e letrada em árabe a negra pregou a palavra do profeta Maomé a alguns negros que formaram um pequeno reduto mulçumano em Salvador e sendo então chamados de Malês. Todos eram livres e lutavam contra a escravidão, arquitetaram a “Revolta dos Malês” em 1835 com o intuito de destituir do poder os infiéis – todos aqueles que eram convenientes a escravidão -, porém acabaram derrotados pela polícia baiana.
A história não dá certeza do destino de Luíza, diz apenas que teria participado de outras revoltas contra a escravidão no Rio de Janeiro antes de ser capturada e degredada a África.
Em solo brasileiro também foram perpetuadas tradições milenares da ritualistica africana. Mesmo proibidos, os negros se reuniam para cultuar os seus deuses, as forças sagradas da natureza.

Segundo dados históricos, as primeiras casas de santo existentes no Brasil foram comandadas por mulheres negras. Há de então, nos lembramos dos nomes de Mãe Marcelina (Obatossí), fundadora da Casa Branca do Engenho Velho, que legou aos seus filhos a perpetuação do culto dos Orixás na tradição oralistica do povo yorubano, o povo de Ketu. Recordamos também o nome de Mam’etu Tuenda Nzambi, que foi a primeira zeladora de uma casa da tradição Angola, o Terreiro Tumbensi, que mantém vivo as tradiçoes dos Nkisses, divindades do povo bantu. Também exaltamos a figura de Mãe Maria Jesuína, que fundou em São Luis do Maranhão a Casa das Minas, templo sagrado dos Voduns do Daomé, divindades do povo Jeje.
 


4º setor:
Negra Musa, Mulher Inspiradora

A beleza da mulher negra sempre aguçou o desejo dos homens. A pele escura, o desenho do corpo mais farto, os lábios carnudos. Peculiaridades que logo se tornaram o encanto de diversos artistas.
Quando ainda era colônia o Brasil recebeu várias missões artisticas que trouxeram inúmeros escritores, poetas e pintores. Todo aquele cenário despertou o fascínio do francês Jean-Baptiste Debret e do alemão Johann Moritz Rugendas, que aliados a tintas e pincéis retrataram o cotídiano daquela imensa massa de escravos que circulava pelas ruas, suas obras eram o retrato fiel das humilhações e das péssimas condições de vida dos negros, mas também se tornaram fonte para mostrar um pouco dos seus costumes e da forma que se portavam e vestiam.

Em suas obras estão retratadas o colorido das indumentárias das escravas que carregavam grandes balaios e cestas para comercializar quitutes, frutas e temperos a fim de gerar renda para seus senhores, havia também negras fazendo sombra para suas senhoras com guarda-sol enquanto as acompanhavam em suas saídas e outras que demonstravam negras como amas de leite ou realizando danças e cantorias.
A negra também ganhou espaço na literatura, transformou-se em personagem de inúmeras obras de escritores e poetas. Inicialmente eram retratadas apenas como meras escravas, com o passar do tempo figuravam como personagens principais de romances.

Como exemplo, temos poema “A Cativa” de Luis Gama, que constitui o livro “Trovas Burlescas de Getulino”, onde a beleza da mulher negra é exatalda pela peculiaridade de suas belas madeixas crespas. Lembramos também a obra “Cinderela Negra – A Saga de Carolina Maria de Jesus” dos escritores José Carlos Sebe Bom Meihy e Robert M. Levine, que contam a história de uma negra catadora de papel que se tornou um marco na história da escrita feminina ao publicar “Quarto de Despejo: Diário de Uma Favelada” onde Carolina relata o seu cotidiano como moradora da favela do Canindé em São Paulo.

A beleza da mulher negra também foi registrada pelas lentes das máquinas fotográficas. Estampando capatas de livros ou revistas, comerciais de produtos para mulheres, sempre houve algum motivo para elas estarem brilhando.
Negras que brilharam muito nos diversos registros feitos pelo grande fotógrafo Pierre Verger, o francês que se encantou pela cultura africana e pela beleza do povo negro, mostrando em grande parte do seu trabalho a beleza, sensualidade e os costumes das negras brasileiras e africanas.
Reinaram também nas televisões e nas telas de cinema. Belas, elas serviram de inspiração para transformar a história.

Inspiração que se transformou em documentário em “Eu, Mulher Negra” de Joel Zito de Araújo ou filmes como “Orfeu Negro”- adptação de “Orfeu da Conceição” de Vinícius de Moraes para o cinema -, que fala sobre o amor entre o sambista negro Orfeu e a negra nordestina Eurídice, ambos moradores de favela, um amor tão puro e verdadeiro que venceu a morte.
Musa também de tantos poetas da canção, a mulher negra, sua beleza e suas conquistas foram cantadas de diversas formas e nos mais variados rítimos.
Quem não se recorda de canções como “Morena de Angola” de Chico Buarque ou “Mulata Assanhada” de Ataulfo Alves. Impossível também não recordar obras imortais dos sambistas como “Dona Santa, Rainha do Maracatu” do Império Serrano, “Mãe Menininha do Gantois” da Mocidade Independente de Padre Miguel.
 
5º setor
Pérolas Negras do Brasil

Em âmbito mundial a mulher negra conquistou várias vitórias. Foi uma luta trilhada por um caminho difícil, que trouxe junto marcas da escravidão e do preconceito, mas que não impediram o sucesso de muitas delas e sendo assim, para nós, todas essas guerreiras são pérolas negras de raro valor e cheias de graça.

Vitoriosas nos alto dos podiuns superando o preconceito por serem mulheres e também negras. As conquistas em tantas competições consagraram vencedoras como Aída dos Santos do atetismo e Elaine Pereira de Souza da natação.
Em tempo mais recente tivemos a consagração vitoriosa de Marta Viera da Silva, considerada a “Pelé de Saias” por suas habilidosas jogadas nos campos de futebol. Consagrada também Daiane dos Santos, a primeira ginasta a conseguir uma medalha de ouro no campeonato mundial de ginástica artística.
Na literatrura nos legaram obras de infinito valor material e cultural. Consagraram em suas obras a (re) invenção de temas ligados a sua acentralidade, as raizes afro-brasileiras e a escravidão. Também falaram de amor, sofrimento e das vitórias obtidas pelo sexo feminino.

Glórias dadas aos poemas de Auta de Souza, aos contos de Maria Firmina dos Reis, a toda obra de Alzira Rufino em defesa dos direitos da mulher e por também estar a frente da “Casa de Cultura da Mulher Negra”, perpetuando com o projeto a história e a importância das mulheres negras no Brasil e no mundo.
Brilham na dramaturgia nacional. Nos palcos dos teatros e nas telas das televisões encantam a todos com a encenação de dramas, comédias, romances que estão presentes no dia a dia ou na história mundial.
Estrelas como Ruth de Souza, Neusa Borges, Zezé Motta e Chica Xavier foram pioneiras ao representarem negras em várias produções artisticas, vencendo o preconceito e até mesmo a tentativa de censura imposta várias vezes pela cor de sua pele. Porém, a consagração da mulher negra na dramaturgia veio com Taís Araújo e sua interpretação de Helena, a primeira personagem protagonista negra de uma trama da televisão brasileira no considerado “horário nobre”.
Herdeiras natas dos povos africanos que expressam na dança suas emoções, seus desejos e sua fé, as negras também se destacaram como exímias dançarinas.
Em todos os ritmos proporcionam maravilhosos espetáculos, lembramos-nos de nomes como Paula do Salgueiro e Pinah, que encantaram ao mostrar o mais puro samba no pé e paixão pelo carnaval ao desfilarem magistralmente por suas escolas de samba.

Não poderiamos também deixar de render homenagens a Mercedes Baptista, que dançando ballet de pés no chão revolucionou a arte de dançar levando para o Teatro Municipal do Rio de Janeiro toda a ginga e sensualidade da dança afro. Fundadora do grupo ballet folclorico que leva o seu nome, reuniu bailarinos negros que introduziram ao ballet classico passos de danças africanas como o lundu e o jongo, e movimentos dos orixás do candomblé.
Consagradas também pelo dom sublime de cantar, nossas negras notáveis encantaram e encantam platéias por todo o mundo.

Exaltamos todo o encanto de Alcione, Leci Brandão, Margareth Menezes, Mart’nália e tantas outras que emprestam seu talento para as músicas de tantos compositores.
Com muita emoção que também prestamos essa homenagem a verdadeiras divas da música brasileira como Dona Ivone Lara - negra e primeira compositora de um samba enredo - e das eternas, Clementina de Jesus, a “mãe quelé” que cantou toda força da ancestralidade negra e da partideira Jovelina Pérola Negra, sambista que se tornou a imortal rainha do partido alto ao compor e interpretar repentes e pagodes nas rodas de samba no Rio de Janeiro.
Vencedoras em tudas as áreas e funções que atuam. Médicas e enfermeiras, hoje também juizas, delegadas e advogadas. Líderes espirituais em diversas religiões. Professoras, feirantes, domésticas, donas de casa. Também são mães de coração puro e apaixonado.

E com esse mesmo coração que pulsa radiante de felicidade por exaltar a mulher negra, rogamos a Nossa Senhora Aparecida, a mãe negra de todos os brasileiros, que abençoe sempre a todos nós e nosso país. Abençoe também todas essas maravilhosas mulheres negras. Guerreiras, ousadas, belas, são elas o motivo do nosso cantar nesse carnaval.
Pedimos também que guarde bem toda nossa comunidade. Abençoe toda a Tijuca e o Morro da Formiga que hoje cantam forte para transformar o seu maior sonho em realidade. Abençoe a coroa imperial de nosso pavilhão verde e branco, para que o Império da Tijuca possa fazer do seu carnaval um momento cada vez mais especial.

Abençoe sempre mãe padroeira, protetora de todos nós. Abençoe.

História e memórias de baianas das escolas de samba